quarta-feira, 20 de junho de 2018

POSIÇÃO DA IPB QUANTO AO USO DE BEBIDA ALCÓOLICA, JOGOS DE AZAR E FREQUÊNCIAS À BAILES PROFANOS


“E tu dentre todo o povo procura homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que odeiem a avareza; e põe-nos sobre eles por maiorais de mil, maiorais de cem, maiorais de cinquenta, e maiorais de dez” (Êx 18.21)

     Vemos por vezes presbiterianos postando em redes sociais e também fomentando em conversas o uso de bebidas, jogos, participação em bailes, mas a IPB não aprova o uso destas coisas pelos seus membros, vejamos o que nos diz o Digesto Presbiteriano Online sobre o assunto:

1) BEBIDAS ALCOÓLICAS - A. Recomendar a todos os concílios inferiores envidem esforços para que os membros da nossa Igreja se esforcem para abandonar o uso, mesmo moderado, de todas as bebidas alcoólicas, exceto remédios. AG-1900-021. B. Recomendar a todos os membros da nossa Igreja que são fabricantes ou negociantes de bebidas alcoólicas que se esforcem para deixar esse ramo de negócio ou meio de vida, a fim de não concorrerem, nem direta, nem indiretamente para a ruína do corpo e da alma de seus semelhantes. AG-1900-021. C. Recomendar aos Presbitérios que tomem medidas positivas e eficazes para combater a fabricação e venda de bebidas alcoólicas por membros da Igreja" (Ag-1900-Doc 21); "CE-E2-1974- Doc. 10 - Doc. X - Quanto ao Doc. 21 - Consulta Sobre o Uso de Bebidas Alcoólicas e Jogos, no Presbitério Sudoeste de Goiás. Considerando que: 1) A Igreja Presbiteriana do Brasil, defende e prega a aplicação integral dos princípios que a Bíblia contém, visando à edificação dos crentes; 2) Os vícios sociais, tais como o fumo, o álcool, o jogo, inclusive a loteria esportiva, e também, a frequência a bailes, reconhecidamente contribuem para a deterioração da pessoa humana, cristã ou não; 3) É dever das igrejas, lutar por todos os meios e modos, continuamente contra vícios; O Supremo Concílio resolve: Recomendar vigilância redobrada, em todos os seus concílios, instituições e igrejas contra os males acima referidos" (CE-E2-1974-Doc. 10). 2) Determinar que os conselhos observem o Art. 83, alínea "n", e os ministros, o Art. 36, alíneas "e" e "f" da CI-IPB, pastoreando cuidadosamente os membros da Igreja em cada caso específico, com vistas ao uso devido da liberdade cristã, sem que se dê ocasião à carne. (Digesto Presbiteriano, p.05. Extraído de: <http://se.icalvinus.net/icalvinus.php?d=1529492984558>Acessoem2/06/2018).


     O digesto traz a posição da IPB sobre o uso, comercialização ou mesmo incentivo ao uso da bebida, para a Igreja os seus membros devem se abster totalmente de usar bebidas alcoólicas ou qualquer outra coisa que prejudique o corpo ou faça seu irmão fraco cair, devemos edificar e não destruir o corpo de Cristo. Quanto aos jogos de azar, também existe um posicionamento de não se envolver ou promover os mesmos. Participar de festas profanas também é imotivado para membros da IPB. Cabendo aos concílios evitar que seus membros vivam em pecado.

     Um oficial ou um membro que deseja viver ingerindo e promovendo o uso de bebidas alcóolicas, praticando e incentivando jogos de azar e promovendo ou desfrutando de festas profanas, está sendo desobediente ao que se propôs a obedecer quando foi batizado e/ou fez publica profissão de fé, bem como quando foi ordenado, deveria estes pedir desligamento da referida igreja e não viver sendo desobediente e, porque não dizer, insubmisso aos concílios superiores da Igreja. Sejamos homens de verdade!

Missº Veronilton Paz da Silva

8 comentários:

  1. Muito bom, essa matéria é essencial para o crescimento no conhecimento de nossa sã doutrina

    ResponderExcluir
  2. Lamento a postura de alguns presbiterianos que defendem o uso de álcool, festas, jogos, etc.

    ResponderExcluir
  3. E quando são os presbíteros e diáconos que fazem o uso de álcool? E quanto às Presbiteriana permissivas? E quanto às Presbiterianas que não estão ensinando os seus adolescentes e jovens sobre os riscos da fornicação, sobre o risco das coisas destes mundo, sobre a falta de ensino sobre o Espírito Santo em nossas vidas, sobre não ter batismo nas água com frequência, sobre não incentivar seu corpo a jejuar, e porque a cada 4 anos tem que trocar de pastor/seminarista?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre batismo nas aguas, há passagens que dão base para o batismo por aspersão como Atos 9.15-18 diz que Paulo foi batizado em pé dentro de um casa, "levantando-se foi batizado", grego euthos indica imediatamente foi batizado", sobre o batismo em Efeso quando Paulo batizou os discipulos impondo as mãos Atos 19.5-6; Jesus faz um pararelo entre o batismo com agua e o batismo com o Espírito Santo "João batizou com agua,vós sereis batizados com o Espírito Santo" Atos 1.5, o batismo com o Espírito Santo foi mergulhado ou derramado,
      "De sorte que, exaltado pela destra de Deus, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis". Aqui diz que Jesus mergulhou ou derramou o Espírito Santo, se o batismo com agua simboliza o batismo com o Espírito Santo porque o batismo com agua precisa ser diferente da forma do batismo com o Espírito Santo?

      Excluir
  4. Você esta equivocado, nao existe regra para troca de pastor a cada quatro anos, tem pastores a 20 anos numa igreja. As igrejas orientam sim quanto a estas questões, se alguma nao faz cabe uma denuncia ao presbiterio.

    ResponderExcluir
  5. Rom:14/1-4 até quando vamos suporta os fracos, já se passaram 2019 anos.missericordia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja mais claro! Suportar os fracos. Desde quando suportar os fracos tem haver com tempo, tem haver com a ordem das Escrituras de suportar os fracos. Outra coisa: Gostaria que voce se identificasse, pois já tive problemas com pessoas que enviam mensagens no anonimato ou com perfil secreto.

      Excluir