sábado, 10 de setembro de 2011

O Criador e as Obras da Criação

        Por Taciano Cassimiro
Esboço dos Estudos Bíblicos Ministrados ás Quintas-Feiras
na IPB – de Tanque D’arca-AL
Texto: GN 1.1-31
I. O CRIADOR

Teorias que negam a existência de Deus:

1.1. Ateísmo: crer na inexistência de Deus. 
·         Platão definiu dois tipos básicos de ateístas:
Primeiro, aqueles que estão convencidos de que Deus ( ou deuses ) não existe;
Segundo, aqueles que afirmam que não há qualquer lugar para Deus ( ou deuses ) neste mundo.

1.2. Agnosticismo: crer que não existem indícios suficientes para se provar ou refutar a existência ou inexistência de Deus ( ou deuses ).

2. O relato Bíblico

Verdade que a Bíblia não é um livro cientifico, embora haja ciência nela. A mesma não tenta provar a existência de Deus, porém afirma que Ele Existe. HEBREUS 11 – 1. Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem. 2. Porque por ela os antigos alcançaram bom testemunho. 3. Pela fé entendemos que os mundos foram criados pela palavra de Deus; de modo que o visível não foi feito daquilo que se vê.

2.1. A Bíblia afirma que houve um princípio, e este principio não foi obra do acaso.

GÊNESIS 1.1 -  No princípio criou Deus os céus e a terra.
Quanto à origem de Deus podemos responder com DANIEL 4.3 - Quão grandes são os seus sinais, e quão poderosas as suas maravilhas! O seu reino é um reino SEMPITERNO, e o seu domínio de geração em geração.
Deus não teve início e não terá fim. Ele é o “ El-Olam “ o Deus Eterno. Gn 21.33; Is 40.28.

 É possível afirmar a existência de Deus de três formas:
·         Primeiro, Afirmação da Existência de Deus nas Escrituras Sagradas: A Bíblia afirma “ No Princípio Criou Deus...”

·         Segundo, Afirmação da Existência de Deus na Constituição do Ser Humano: O homem carrega idéias inatas sobre a existência de Deus. Exemplos:
O “ Semem Religionis “ nas palavras João Calvino “ como a experiência mostra, Deus plantou uma semente de religião em todos os homens”.

O “ Sensus do Divino “, João Calvino tratando do assunto afirmou “ Portanto, visto que desde o começo do mundo não tenha havido nenhuma religião, nenhuma cidade, em resumo, nenhuma família que pudesse viver sem religião, nisto descansa a tácita confissão de que o sensos do divinitatis está inscrito no coração de todos os homens “.

·         Terceiro, Afirmação da Existência de Deus nos Argumentos Racionais:

1. Argumento Ontológico – A existência real de Deus parte de sua existência necessária em nosso pensamento.
 2. Argumento Moral – Existe um Legislador supremo, QUE É DEUS, e do fato de haver a presença de uma lei moral no universo.
3. Argumento Teleológico - Há um propósito no universo. Deve haver alguém que estabeleceu o propósito, que é Deus.
4. Argumento Cosmológico - Declara que deve haver uma causa final de todas as coisas. Esta causa afirma ser Deus. 
Com base neste argumento Deus é o único ser não causal, é sem causa.

II. As obras da criação
  
  •       Catecismo maior, pergunta 15. O que é a obra da criação?
RESP. A obra da criação é aquela pela qual Deus, pela palavra do seu poder, fez do nada o mundo e tudo quanto nele há, para si, no espaço de seis dias, e tudo muito bem.      

  • ·         O ato da criação foi obra do Deus trino. A Bíblia revela que o Deus trino é o autor da criação ( Is 40.12; 44.24; 1 Co 8.6; Jo 1.3; Cl 1.15-17; Gn 1.3; Sl 104.30; Jó 26.13; 33.4 ).
  • ·         A criação foi ato livre do criador ( Jó 22.3,13; At 17.25 )
  • ·         A obra da criação teve um começo ( Gn 1.1; Sl 90.2; Sl 102.25 )
    Hb 11.1-3 – Seguindo o texto de Hebreus acreditamos que o universo foi formado pela palavra de Deus. Com certeza aqui há lugar para uma simples pergunta. Em quantos dias Deus criou o universo?
Embora haja a citação acima do Catecismo afirme “ seis dias “ a pergunta que surge, é – estes seis dias, são literais de 24 horas?

Teorias:

Primeira, Os dias da criação foram dias literais de 24 horas.
Martinho Lutero, consistentemente, defendeu a interpretação literal do relato da criação: “Afirmamos que Moisés falou no sentido literal, e não alegórica ou figurativamente, isto é, que o mundo, com todas as suas criaturas, foi criado em seis dias, como se lê no texto”. Também os outros Reformadores entendiam os “dias” da criação da mesma forma.

Segunda, Os dias da criação foram longos e sucessivos períodos ( dias eras ).
O erudito britânico John C. L. Gibson argumenta que Gênesis 1 deve ser tomado como uma “metáfora” (21), “história”, ou “parábola” (22), e não como um registro direto dos acontecimentos da criação. Escreveu ele em seu comentário sobre Gênesis, de 1981:

“... Se entendermos “dia” como equivalente a “época” ou “era”, poderemos pôr a seqüência da criação, apresentada no capítulo 1, em conexão com os relatos da moderna teoria da evolução, e assim caminhar um pouco no sentido da recuperação da reputação da Bíblia em nossa era científica ... Tanto quanto este argumento inicie uma tentativa de ultrapassar o sentido literal, atribuindo à semana da criação o sentido de uma parábola, com uma duração muito mais extensa, isso será digno de elogios.”

A Bíblia não é um tratado científico, embora haja ciência nela. Em Gênesis vejo que o propósito é de nos revelar Deus como Criador de todas as coisas, independente dos dias serem de 24 horas ou eras. Entendo ser mais edificante para comunidade cristã crer e entender a beleza do Criador e de sua criação do que passar horas e horas discutindo, sem chegar a lugar algum sobre a questão dos dias criativos.
Não desmereço a tentativa dos estudiosos nessa questão, mas nosso propósito é tratar de outros aspectos da narrativa de Gênesis.
Eis os dias da criação:






Sem Forma Transformado em Forma
Vazio Transformado em Habitação
v. 3-5
1º Dia
Luz
v. 14-19
4º Dia
Luminares (sol, luz, estrelas)
v. 6-8
2º Dia
Atmosfera (espaço superior)
Água (espaço inferior)
v. 20-23
5º Dia
Peixes e Pássaros
v. 9-13
3º Dia
Plantas terrestres
v. 24-31
6º Dia
Animais e Homem

              As obras da criação apontam para um criador, e esse criador é Deus (GN1.1). Tudo veio a existir e ficou firme ao comando de Yahweh Deus ( Sl 33.1,6-9 ). Yahweh trouxe o cosmos à existência ex nihilo ( do nada ).
Em seis dias Deus completou o ciclo de criação, e sua afirmação ao criar “Gn 1.31 - E viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. E foi a tarde e a manhã, o dia sexto.

As obras da criação dão testemunho de seu criador.

 III. Os propósitos da criação 

O catecismo maior, pergunta 1. Qual é o fim supremo e principal do homem? 

RESP. O fim supremo e principal do homem é glorificar a Deus e gozá-lo para sempre.
É verdade que o catecismo pergunta em relação ao homem, porém, vejo na mesma o propósito da criação no seu todo. 

Assim ao lermos o Salmo 19.1, começamos a entender o propósito da criação: “ Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos”.
Em Rm 11.36 - Porque dele, e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

Os propósitos da criação:

Propósitos primários

  • 1.      Ensinar que Deus é o criador “Jr 51.15 - É ele quem fez a terra com o seu poder, estabeleceu o mundo com a sua sabedoria, e estendeu os céus com o seu entendimento.

  • 2.      Para glória e louvor de seu nome. Esta afirmativa não significa que Deus estava precisando de gloria de sua criação, porém o resultado inevitável de seu ato criador é a sua glória.

  • 3.      Iniciar o progresso de revelação bíblica. A fala de Deus “ Disse Deus” é o primeiro passo nesse processo, e este acredito ser um dos propósitos da criação uma vez registrado.

Propósitos secundários

  • 1.  Os homens devem se submeter ao Deus da criação em temor e obediência. Os céus proclamam a glória de Deus
“Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis; porquanto tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato.” (Rm. 1:20-21).
  • 2.     Os homens devem confiar no Deus da criação, para prover todas as suas necessidades.

“Fazes crescer a relva para os animais, e as plantas para o serviço do homem, de sorte que da terra tire o seu pão; o vinho, que alegra o coração do homem, o azeite que lhe dá brilho ao rosto, e o pão que lhe sustém as forças. Avigoram-se as aves do Senhor, e os cedros do Líbano que ele plantou, em que as aves fazem seus ninhos; quanto à cegonha, a sua casa é nos ciprestes. Os altos montes são das cabras montesinhas, e as rochas o refúgio dos arganazes. Fez a lua para marcar o tempo; o sol conhece a hora do seu ocaso. Dispões as trevas, e vem a noite, na qual vagueiam os animais da selva. Os leõezinhos rugem pela presa, e buscam de Deus o sustento; em vindo o sol, eles se recolhem e se acomodam nos seus covis. Sai o homem para o seu trabalho, e para o seu encargo até a tarde.” (Sl. 104:14-23)

  • 3.  Os homens devem se humilhar diante da sabedoria de Deus evidenciada na criação. Jó sofreu muitas aflições. Mas, afinal, o suficiente foi suficiente. Ele começou a questionar a sabedoria de Deus em sua adversidade. Ao seu questionamento Deus respondeu:
“Depois disto o Senhor, do meio de um redemoinho, respondeu a Jó: Quem é este que escurece os meus desígnios com palavras sem conhecimento? Cinge, pois, os teus lombos como homem, pois eu te perguntarei, e tu me farás saber. Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Dize-mo, se tens entendimento. Quem lhe pôs as medidas, se é que o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o cordel? Sobre que estão fundadas as tuas bases, ou quem lhe assentou a pedra angular, quando as estrelas da alva juntas alegremente cantavam, e rejubilavam todos os filhos de Deus?” (Jó 38:1-7).

Conclusão

Que o estudo desta noite tenha edificado a igreja de Jesus Cristo, e que nesta certeza possamos caminhar na fé e no poder do nosso amado Deus. Deus real, criador e de cujos propósitos são para louvor de sua glória.

“ Creio em Deus Pai, Todo-Poderoso criador do céu e da terra”.
Credo Apostólico
Fonte: www.introduoteologica.blogspot.com

Billy Graham não prega para multidões, mas evangeliza online

Billy Graham não pode estar pregando em estádios por causa da sua idade avançada, mas começou um novo trabalho.
Ele tomou a iniciativa de evangelizar através da interner e poder assim alcançar pessoas on-line com o evangelho.
A Associação Evangelística Billy Graham lançou o programa em versão beta no final de abril, e milhares já viu uma apresentação do evangelho online que incentiva as pessoas fazer um compromisso com Jesus Cristo.
“Todos os dias, as pessoas estão procurando por respostas on-line”, diz Preston Parrish, vice-presidente executivo do ministério para a BGEA. “Em seu momento de necessidade, estamos apresentando a única esperança que temos neste mundo a esperança encontrada através de um relacionamento com Jesus Cristo.”
Veja como funciona: Quando as pessoas entram frases como “O que acontece quando eu morrer?” ou “Por que estou aqui?” nos motores de busca populares, o projeto de evangelismo de Internet BGEA vai dirigir o pesquisador para páginas web relevantes que tratem das questões do pedido e oferece a esperança do evangelho como a solução definitiva e verdadeira de acordo com a necessidade. O pesquisador pode fazer um compromisso com Jesus Cristo, então será capaz de conversar com um “conselheiro” para aprender mais. Conheça como funciona o projeto de evangelização pela Internet, visite SearchForJesus.net. No site, os visitantes poderão ver como o programa funciona, bem como em tempo real compromissos sendo feitas ao redor do mundo.
Nos próximos meses, voluntários treinados “discípuladores” estarão disponível para bate-papo online com os buscadores espirituais em um esforço para levar ainda mais pessoas a ter um relacionamento com Cristo. Além do mais, “discípuladores” vão realizar um acompanhamento de treinamento para aqueles que assumiram um compromisso e incentivá-los a encontrar uma igreja em sua área.
O programa é uma extensão do compromisso BGEA para proclamar o evangelho por todos os meios eficazes disponíveis e incentivar os outros a fazerem o mesmo. Billy Graham foi pioneira no uso de imagens de televisão, rádio e movimento para difundir o Evangelho em todo o mundo. Hoje, BGEA continua, no espírito de inovação através do uso da Internet e mídia social.
“A geração de hoje vive na Internet”, diz Parrish. “Assim como nossa estratégia histórica de ir aonde o povo está-em estádios, arenas cívica e coleta de áreas públicas, estamos fazendo o mesmo chegando no ciberespaço com a Boa Nova do amor de Deus e Sua oferta de perdão e vida eterna por meio de fé em Cristo.
Fonte: O Diário / Folha Gospel
Extraido de www.ipc2005.blogspot.com

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Seja Sal. Seja Luz! [Reflexões sobre Mateus 5:13-1

Por Thiago Ibrahim (@thiagoibrahim)

Faz 2 dias que escrevi aqui no blog um texto entitulado "O Desafio de Ser Cristão" em que abordei o tema vida cristã e como é difícil viver num tempo de relativismo e valores pós-cristãos. Já o post de hoje se propõe a fazer uma reflexão sobre o que é ser santo (qualidade do que é separado), palavra que usamos tanto no dia a dia cristão, mas que não paramos para dar a devida atenção ao seu significado.

Ser santo não é se separar, ou seja, segregar-se de tudo o que é "do mundo". Quando pensamos assim vivemos um dualismo doentio que nos prende e amarra, fazendo com que nos afastemos das pessoas por medo da "contaminação" que podemos sofrer. Esse pensamento em si não tem fundamento lógico, nem mesmo bíblico, já que em momento algum somos orientados pela Palavra de Deus a nos trancar dentro de uma redoma e viver como monges.

Quando você finalmente entende o que quis dizer Jesus com o "Vocês são o sal da Terra" e com o "Vocês são a luz do mundo", aí sim tem seus olhos abertos para o sentido da sua existência e começa a enxergar o motivo de você estar aqui.


Se somos sal, somos úteis e a nossa utilidade é conferir sabor, temperar, tornar palatável aquilo que perdeu o gosto. Assim é o mundo em que vivemos: perdido em dissolussões, abandonado a seu bel prazer, sem afeto, iniquo, pecador, maldoso. Você, cristão, que é sal e luz precisa afirmar-se em seus princípios e valores, sem, contudo excluir o viver diário. Viver uma vida com Deus não significa viver uma vida longe da realidade. O sal só dá sabor aos alimentos se está em contato com ele, não dentro do saleiro - para temperar uma salada você não precisa abrir o sachê do sal e derramá-lo sobre o alimento? Da mesma forma Deus faz conosco; nos coloca nesse mundo para que, em contato com a realidade, façamos a diferença, conferindo sabor ao que é insípido.

Você tem uma vida, não é? Estuda, trabalha, brinca, relaciona-se com seus amigos, conhece pessoas novas, navega na internet, vai à igreja, ao clube, anda de bicicleta, joga futebol, vai ao restaurante etc. Porém, saiba de uma coisa: nunca perca as suas propriedades de sal e luz e permita-se iluminar e dar sabor a esse mundo e à vida das pessoas que cruzarem seu caminho. Permita que as pessoas vejam refletida em você a luz de Cristo e peça a Deus que mostre a elas através da sua vida o gostoso sabor que a vida ganha quando se anda com Jesus.

Pense: algo santo é algo que foi separado para um fim e que está sendo usado exatamente para aquilo a que foi destinado.
 
Fonte: www.blogdoibrahim.com/ 

Deus limpará toda a lágrima [Pregação sobre Salmo 30:1-5]

Por Jorge Fernandes Isah

Primeiramente, queria dizer que este Salmo é um clamor e um agradecimento que, ao mesmo tempo, o Rei Davi faz a Deus.

Davi louva o Senhor pois, mais uma vez, ele o havia livrado dos seus inimigos.  Davi era o rei de Israel; mas antes, foi alvo do ódio de Saul que o perseguiu e intentou a sua morte. Tenho para comigo que durante o reinado de Saul, ele não se preocupou nem mesmo com o seu povo, nem em servir a Deus, mas exclusivamente ele tinha o objetivo maligno de destruir Davi; como um ferroz inimigo daquele que o próprio Deus chamou de um homem segundo o seu coração [1Sm 13.14].

Deus se alegrava em Davi, o qual executou toda a sua vontade. E quem ouviu isso da boca do profeta Samuel? Saul. Naquele momento, ele soube que havia sido rejeitado por Deus, porque não guardou o que o Senhor havia lhe ordenado. Saul soube que Davi era amado do Senhor, e de que ele e o seu reino não subsistiriam. Daí em diante, Saul não mais seguia o Senhor, e não cumpriu as suas palavras, ao ponto em que Deus diz se arrepender de tê-lo posto como rei [1Sm 15.11]. Perseguir Davi não foi o pior pecado de Saul. O pior pecado de Saul foi a desobediência, o desprezar constantemente os mandamentos de Deus, entregando-se ao estado de permanente rebeldia a ele. Por isso ele perseguiu Davi enquanto teve vida; e não soube reinar conforme os mandamentos divinos. 

Davi, portanto, era um homem acostumado ao perigo. Mesmo entre os do seu povo, e mesmo entre os da sua própria carne. Davi foi perseguido, traído e desejaram e maquinaram a sua morte. Era um homem de dores. Não como o Senhor Jesus, mas um tipo do Senhor Jesus nesse aspecto. Interessante que, como àquela época, ele hoje é desprezado por muitos irmãos! Temos uma tolerância absurda e desproporcional para com os ímpios, para conosco mesmo, com os nossos pecados, mas em se tratando de Davi e, também, de Pedro, por exemplo, somos intolerantes... O que vem à nossa mente é sempre o adultério do rei com Bate-seba, e a traição do apóstolo para com o Senhor, momentos antes da Crucificação. 

Esperamos que eles fossem super-homens, quando nos assemelhamos a sub-homens em relação a eles. Nem Davi, nem Pedro, ou qualquer outro homem foi alguma coisa por seus próprios méritos. Como um instrumento inútil, eles foram feitos úteis pelo poder de Deus. Assim como nós, não fizeram nada além do que lhes era devido fazer, contudo, muito, mas muito mais do que fazemos. Esquecemo-nos de que ambos foram poderosos nas mãos de Deus; de como Deus os escolheu para obras grandiosas, para feitos que resultassem no louvor e glória do seu nome. Deus os usou como nenhum de nós jamais será usado. E por isso, Deus os exaltou em Cristo. 

Por outro lado, eles também sofreram na carne o que jamais sofreremos; e souberam, mesmo nas tribulações, nas lutas, na injustiça, permanecerem firmes e confiantes no Senhor, em uma fé inabalável de que Deus não somente os sustentaria mas os ergueria caso caíssem; uma fé que muitos de nós, nos menores reveses da vida, colocamos em dúvida, perdemos a esperança, e nos entregamos à murmuração e ao desalento. Nos tornamos no pior tipo de ingrato, aquele que é incapaz de reconhecer todos os favores que lhe foi dado por Deus. Sem merecimento algum. Sem mover um dedo para alcançá-lo. Exclusivamente pela bondade e graça do nosso Senhor, quando a nossa recompensa, por aquilo que não fizemos e deixamos de fazer, seria a condenação e o inferno. 

Cada um de nós deveria se espelhar no exemplo desse herói da fé, que a todo momento sabia que Deus era aquele que o livraria dos seus inimigos, e lhe daria a vitória sobre eles [v 1]. Quando Davi diz: "Exaltar-te-ei, ó Senhor, porque tu me exaltaste", podemos ter a ideia errada de que o louvor a Deus deve ser dado somente se recebemos algo de que queremos ou precisamos em troca. O fato é que Deus não é um negociador. Tudo o que recebemos é por sua graça, de tal forma que não há mérito algum no homem que obrigue a Deus dar uma resposta que atenda os desejos e anseios humanos. O que Davi está fazendo aqui é reconhecendo o favor de Deus, colocando-se na posição de favorecido, de alguém que recebeu uma graça, e que, por isso, como um agradecimento, uma forma de reconhecimento ao que Deus fez, ele o exalta. 

Pedro nos alertou de que sem humilhação não seremos exaltados: "Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que ao seu tempo vos exalte" [1Pe 5.6]. Davi se humilhava diariamente diante do Senhor, reconhecendo a sua dependência, e por isso, Deus o exaltou diante dos seus inimigos, os quais eram também inimigos de Deus. 

Por isso ele disse "clamei a ti, e tu me saraste" [v.2]; porque a cura da dor, da aflição, do temor, da angústia e de todos os males, somente pode vir do bom Deus. Hoje, esperamos por um alívio que venha de vários lugares. Esperamos na ciência, em terapias, nos prazeres, no poder, na diversão... de que sejamos capazes de curar a nós mesmos; mas esquecemos que apenas Deus pode curar nossas feridas. Novamente, Pedro nos diz: "Lançando sobre ele [Jesus] toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós" [1Pe 5.7]; e o profeta nos garantiu:"Verdadeiramente ele tomou sobre si [Jesus Cristo] as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si" [Is 53.4]. Como o próprio Davi pode confirmar, ao dizer: "Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele o fará" [Sl 37.5]. Ele sabia, claramente, que no momento da angústia e da aflição, de uma enfermidade, de uma injustiça, apenas Deus poderia curá-lo; por isso, ele clamava pela misericórdia que somente podia vir do alto.

No verso seguinte, Davi nos revela o estado em que se encontrava, como que o de um morto. E não há como não nos lembrar do Senhor, que sofreu toda a sorte de injustiças e crueldades por amor de nós, sendo crucificado, morrendo, mas ressurgindo dos mortos, como o próprio Davi revelou, profeticamente, séculos antes, em outro Salmo: "Pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção" [Sl 16.10].

O corpo de Davi, diferentemente do corpo do Senhor Jesus, viu a corrupção, mas a sua alma foi preservada para a vida por Deus, e assim como ele, também nós não veremos a morte, pois Cristo garantiu: "Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida" [Jo 5.24]

Ainda que Davi esteja falando aqui sobre as aflições da vida, nas quais ele se via como um morto, dado o grau de opressão sobre a sua alma, o fato é que somente Deus pode nos livrar delas.

Então, ele conclama todos os santos, todos os irmãos, a cantar e louvar o Senhor, não por ter lhe dado um escape momentâneo, por ter solucionado um problema circunstancial, mas como forma de gratidão pela maneira como Deus cuida e concede ao seu povo o seu favor gracioso em toda a vida. Como está escrito:"E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito" [Rm 8.28]. Ou seja, a vida que o Senhor nos dá é suprida em todos os mínimos e mais imperceptíveis detalhes pela sua providência e graça.

Então, somos presenteados com versos da mais rara beleza: "Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida" [v. 5]. Que realidade fantástica o salmista nos revela aqui. Primeiro, de que somos merecedores da ira divina. Pela desobediência e transgressões, estávamos debaixo da ira de Deus. Estávamos mortos em ofensas e pecados, segundo o curso deste mundo, e éramos por natureza filhos da ira [Ef 2.1-3]. Mas graças a Deus que nos vivificou em Cristo, por sua misericórdia e o seu muito amor com que nos amou [Ef 2.4-5]

E o salmista continua: "O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã". O que pode ser o choro? Pode ser momentâneo, uma dor passageira, algo mesmo que não traga cicatrizes, nem marcas em nossas vidas. Mas pode durar uma vida inteira, anos e anos e mais anos em dores. O choro pode durar até a nossa morte; pode percorrer toda a vida do crente. Pode ser tão duro de suportar que somente Deus para nos manter com vida, quando o desejo é a morte iminente e o alívio da dor. O choro pode nos fazer sofrer, mesmo que seja através de uma lembrança. Mas ainda que o alívio não venha nesta vida, temos a promessa de que ele virá, enfim, na eternidade. É o que João ouviu: "E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus. E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas" [Ap 21.3-4]. Estejamos certos, meus irmãos, de que Cristo faz novas todas as coisas, porque, como ele mesmo nos diz: "Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo" [Jo 16.33].

O fato é que, todo este Salmo é um louvor a Deus; Davi nos revela como devemos ser gratos, como devemos nos entregar à adoração, bendizendo o nome do bom Deus, porque ele é bom, e sua misericórdia não tem fim. Como filhos, devemos honrar o nosso Pai. Como filhos, devemos obedecê-lo. Como filhos, devemos reverenciá-lo. Andando em temor e tremor, porque também a sua justiça é certa. Graças a Deus por ter-nos tirado do lamaçal do pecado, e ter feito de Cristo, seu Filho Amado, a nossa justiça. Por isso, cada um de nós, irmãos, louvemos e glorifiquemos a Deus, levantando mãos santas, corações contristados, e lábios puros em agradecimento por tudo quanto o Senhor tem feito, e tem nos dado.

Disciplina & Sofrimento

Por Jorge Fernandes Isah

Continuando a meditação no Salmo 30, dissemos na semana passada que este é um cântico de louvor e agradecimento, mas também de súplica, de clamor de Davi a Deus. 

Os quatro primeiros versos foram de agradecimento a Deus por tê-lo livrado das mãos de seus inimigos. De forma que ele conclamou todos os santos a bendizer e louvar o Senhor. 

No verso 5 é-nos dito que mesmo passando por tribulações e dores, Deus age em nossos corações trazendo a certeza da esperança, a confiança de que um dia nossas lágrimas serão enxugadas.

Chegamos então ao versículo 6: "Eu dizia na minha prosperidade: Não vacilarei jamais". Davi reconheceu a sua presunção e autoconfiança, nos dias em que não havia aflição, nem angústia, nem privações; de que pelo seu esforço, capacidade e dons, não cairia dessa condição. Ele se orgulhava do quanto havia conquistado, de como era próspero e não necessitava de nada. 

Aqui temos o relato de um homem que, em sua soberba, reputou que não seria abalada a sua felicidade. Ele se considerou autônomo, independente, de tal forma que não considerou que tudo o que tinha era pelo favor de Deus para consigo mesmo. 

Provavelmente Davi se considerou um homem forte, inabalável, poderoso, rico, trazendo-lhe a falsa ideia de que tudo o que conquistou era fruto exclusivamente do seu talento em obtê-los. Entre todos os pecados, o seu maior pecado, o qual confessou neste verso, foi acreditar na sua independência de Deus, não reconhecendo que o Senhor era quem, por sua providência, havia tornando-o em um homem próspero.

Vejamos o que Paulo tem a nos dizer em 2 Co 12.

Paulo foi arrebatado até o paraíso, e lá ouviu, como mesmo disse, "palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar" [v.4]Provavelmente, Paulo se orgulhou de ser escolhido para ver e ouvir o que viu e ouviu no paraíso, e que mais ninguém viu e ouviu. Talvez tenha se considerado um homem especial, até mesmo um super-homem, envaidecido-se, e se ensoberbecido com o privilégio que havia recebido de Deus. 

Por isso, Deus lhe deu um "espinho na carne", um mensageiro de Satanás para o esbofetear, a fim de não se exaltar [v.7]

Foi o que Deus fez com Davi. Fortaleceu-o, fez forte a sua montanha, para depois encobrir dele o seu rosto. Deus acrescentou à vida de Davi tudo o que era-lhe necessário e muito mais, de forma que ele se sentiu como uma montanha, inexpugnável. 

Então, Deus retirou-lhe o favor, como se o deixasse à própria sorte, de maneira que Davi se perturbou, e pode reconhecer a dependência que tinha de Deus [v.7]

Foi necessário que Deus disciplinasse Davi, porque ele disciplina aquele que ama, como está escrito: "Filho meu, não desprezes a correção do Senhor, e não desmaies quando por ele fores repreendido; porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho" [Hb 12.5-6].

O salmista pode então reconhecer que era fraco, que nada do que supunha ser pelo seu poder era-o de fato. Pode reconhecer que sem Deus, sem a sua providência, misericórdia e graça, ele não passava de um homem "desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu" [Ap 3.17]

Ele suportou a correção, porque estava sem disciplina; e, por isso, clamou e suplicou a Deus por misericórdia, para que Deus retirasse o castigo, tirasse a vara dos seus lombos: "A ti, Senhor, clamei, e ao Senhor supliquei" [v.8]

Assim como ele, Paulo também orou três vezes a Deus para que o "espinho" fosse desviado dele [2Co 12.8].

Davi, novamente, se sentiu como morto; havia a iminência de morte, pois ele reconheceu que sem Deus, a vida não é possível; a vida é impossível; sem Deus, ele não passaria de um inútil, carne e sangue e ossos mortos, lançados numa cova, e que não teriam proveito algum [v.9]

E, ao fazê-lo, reconheceu a sua pequenez, e de como fora tolo por considerar a sua força aparte de Deus; e constatar que a vida está presente no homem somente quando ele tem comunhão com Deus, somente quando ele o serve, em adoração e louvor; em Espírito e em verdade. 

Creio que Davi quis dizer o mesmo que Paulo, ainda que não tenha usado as mesmas palavras do apóstolo: "Fui néscio em gloriar-me" [2Co 12.11]. Por isso, ele clamou a Deus para que lhe fosse devolvida a vida, pois estava morto em si mesmo, e, assim, como poderia adorá-lo e louvá-lo? Como anunciaria ele a tua verdade? [v.9].

Mais uma vez, o salmista clama a Deus por vida, pelo perdão, pela misericórdia, para que Deus se apiedasse dele e, enfim, o auxilasse, e o curasse: "Ouve, Senhor, e tem piedade de mim, Senhor; sê o meu auxílio" [v.10]

Um pequeno aparte: Davi nos deu o testemunho de como devemos estar dispostos e prontos a nos arrepender diante de Deus, constantemente, a cada momento, por nossos pecados, buscando o seu perdão. 

O fato de nos considerarmos fortes e suficientes em nossa convicção de que jamais cairemos, como o salmista acreditou, apenas nos fará reconhecer a queda depois que quebrarmos a cara no chão. 

Paulo nos diz, sabiamente, que "aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia" [1Co 10.12]

Davi tomou um tombo enorme; ele caiu do alto da sua presunção, do alto do seu orgulho e arrogância, e não viu o chão até bater-lhe a cara. Mas, ao invés de praguejar e murmurar, colocando a culpa em Deus, reconheceu o seu erro e a necessidade de se arrepender.

Num momento, em que, cada vez mais, os cristãos estão indolentes, insensíveis, diante da obrigação de cumprir os preceitos divinos; cada vez mais queixosos e rebeldes; cada vez mais orgulhosos e abusados em cobrar de Deus seus supostos direitos, o salmista nos deu um grande exemplo de submissão e
de aceitação das suas fraquezas. Não por estar resignado a elas, como se dissesse: "Sou assim, não posso fazer nada! Vou-me conformar com o que sou e viver o que sou. Nasci assim, vou morrer assim".

Esta é a fala de um tolo, do estúpido, que ao invés de se arrepender e buscar a graça divina, contenta-se em se exaltar e se conformar em seus próprios pecados. Como se  o pecado pudesse ser bênção, aceito e não rejeitado.

Pelo contrário, Davi, ao compreender suas fraquezas e desatino, pode se alegrar no sustento que Deus lhe deu, em como o fortaleceu, de tal forma 
que se cumpriu nele a palavra de que o Senhor transformaria todo o pranto em gozo, e em lugar da tristeza daria consolo e alegria [Jr 31.13].

É o que o salmista nos diz no verso 11: "Tornaste o meu pranto em folguedo; desatastes o meu pano de saco, e me cingiste de alegria".

É possível que, mesmo no sofrimento, nas tristezas, em nossas fraquezas, possamos glorificar e louvar a Deus por elas. Porque nelas temos a prova da nossa fé, purificada, mais preciosa do que o ouro, por amor de Cristo [1Pe 1.6-7]

Aqueles que precisam dos sinais para se ter fé, na verdade, não a têm, porque a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem [Hb 11.1]

Assim, Paulo nos diz: 
"De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim 
habite o poder de Cristo.Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas 
necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque 
quando estou fraco então sou forte" [2Co 12.9-10]. 

Nem sempre as aflições e angústias da vida vêem por causa de um pecado 
específico. Nem sempre são punições por algum erro específico. Certo 
é que, como pecadores, deveríamos sofrer não somente os castigos 
incessantes, mas a pior de todas as punições: não ter comunhão com o 
bom Deus. Não temos direito à paz, à felicidade, ao gozo e à alegria. Isso não 
nos pertence por direito. Mas nos é dado por Deus pelo seu favor, por sua 
graça e infinita misericórdia. Pelo amor com que nos amou; o amor pelo 
qual deu o seu Filho unigênito para nos resgatar para si. 

Não temos direito algum a não ser o direito à morte. Mas pela eterna bondade
de Deus foi-nos abolido esse direito; na cruz, Cristo pagou por nossos pecados
e passamos a ter, por sua exclusiva graça, o direito à vida que não tínhamos. 

Davi e Paulo foram afligidos por causa da tolice humana, a mesma tentativa
iniciada no Éden e que nos quis alçar ao nível de Deus, e até mesmo nos 
colocar em seu lugar, nos fazendo como ele. Foi assim com Satanás e seus 
demônios. Foi assim com Adão e Eva. Foi assim conosco. Mas como o 
apóstolo nos disse, quem somos nós para dizer a Deus o que ele deve 
fazer? Ouçamos a sua voz: "Porque, quem compreendeu a mente do Senhor?
ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja 
recompensado? Porque dele e por ele e para ele, são todas as coisas; 
glória, pois a ele eternamente. Amém" [Rm 11.34-36].

Muitas tribulações acontecerão na vida do crente; e nem todas entenderem
os, mas em todas Deus tem um propósito definido, santo, perfeito. E 
qual é ele? Nos santificar, nos conformar à imagem do seu Filho Amado, Jesus 
Cristo, o qual foi rejeitado, desprezado e homem de dores [Is 53.3]. Se o 
Senhor sofreu, sem merecer, o justo pagando pelos injustos, por que havemos
de reclamar do sofrimento quando somos injustos e merecemos o justo castigo?

Mas, é quando o Senhor entra em ação, e nos liberta da injustiça, fazendo-
nos justos pela justiça de Cristo. Para que, como Davi, não nos calemos. Para
 que, mesmo fracos, como Davi, sejamos fortes. Para que o louvemos, como 
Davi. Para que, como Davi, a glória que nos foi dada por Deus seja para o 
louvor do seu nome; e, para que nele, o nosso coração se regozije, e a 
nossa carne e espírito repousem seguros em tuas santas e benditas mãos. 

quinta-feira, 8 de setembro de 2011


Ambos (Deus e as riquezas) fazem-nos uma exigência totalitária. Como já vimos, é fato que as coisas do mundo fazem uma exigência totalitária. Como elas tendem a agarrar a personalidade inteira e como nos afetam em todos os aspectos da vida! Exigem nossa total devoção, querem que vivamos absolutamente para elas.

Sim, mas Deus também exige. . . Não necessariamente num sentido material, mas em algum outro sentido Ele diz-nos a todos: «Vai, vende o que tens. . . então vem, e segue-me». «Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim, não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim, não é digno de mim». É exigência exclusivista. . . É uma alternativa exclusivista: «ou. . .ou»; neste ponto é impossível qualquer meio termo. «Não podeis servir a Deus e às riquezas».

Isto é algo tão sutil que muitos de nós somos completa-mente incapazes de percebê-lo. . . Alguns entre nós se opõem violentamente àquilo que chamamos de «materialismo ateu». Mas. . . entendamos que a Bíblia nos fala que todo materialismo é ateu. . . Assim, se um ponto-de-vista materialista nos está controlando, somos ímpios, não importando o que digamos. Há muitos ateus que falam com linguagem religiosa. . . O homem que se julga religioso porque fala acerca de Deus, diz crer em Deus e ocasionalmente vai a um lugar de culto, mas na verdade vive em prol de certas coisas terrenas — quão grandes são as trevas desse homem!. . . Estude cuidadosamente 2 Reis 17.24-41. . .

Os assírios conquistaram certa área. Depois tomaram gente do seu próprio povo e a colocaram naquela área. Esses assírios, naturalmente, não cultuavam ao Senhor. Então apareceram alguns leões e destruíram as propriedades deles. «Isso nos aconteceu», disseram eles, «porque não servimos ao Deus deste território». Portanto,, buscaram um sacerdote que lhes deu instruções gerais sobre a religião de Israel. . . Mas, eis o que diz a Escritura sobre eles: «temiam o Senhor e ao mesmo tempo serviam aos seus próprios deuses». . . A quem você está servindo? Essa é a questão; e há de ser ou a Deus ou às riquezas.
 
Por Martyn Lloyd 

Studies in tne Sermon on the Mount, ii. p. 94,5